• Hub Logístico
      • Certificado Digital
      • Consultoria de Ecommerce

Neuromarketing: como o cérebro reage às cores nas embalagens  

Blog do Bling – Dicas de Gestão e Sistemas ERP para e-commerces e empresas

A cor, como a luz e o som, é objeto de estudo da ciência. No campo estético, ela é decisiva. No campo das emoções, ela também desempenha um papel de destaque, o neuromarketing.

Na verdade, os campos de estética e emoções se complementam quando falamos em utilidade das cores. 

Como sabemos, no marketing, o apelo visual é um fator muito explorado para atrair a atenção dos consumidores.

Por isso, a psicologia das cores é tão importante para quem trabalha com marketing. 

Por meio dela, os profissionais procuram respaldar seus projetos de forma mais científica.

Neste artigo, vamos buscar entender como o cérebro reage às cores nas embalagens.

Se você tem uma loja virtual, continue a leitura e entenda como as cores são importantes para seu negócio. 

O papel das cores no design

Existe uma relação muito estreita entre cores e branding. 

Essa relação pode influenciar de forma decisiva a percepção e a resposta dos consumidores de uma marca.

Lembramos que o branding corresponde à identidade completa da marca, considerando elementos como: o logotipo, o nome e as imagens do site.

As cores usadas na identidade visual de uma marca contribuem para associar a marca a determinadas sensações e princípios. 

O que pode ajudar na conversão de consumidores em leads ou vendas. 

A escolha de cores inadequadas pode criar uma imagem incoerente e afastar o público-alvo. 

Uma marca que erra na escolha das cores do logotipo ou do e-commerce está se arriscando a ser ignorada pelos consumidores.

O branding ainda considera os valores fundamentais da marca, sua visão e missão. 

O exemplo icônico da Coca-Cola ilustra bem essa questão: a marca é tão poderosa que seus elementos visuais, como a combinação da cor vermelha com a onda branca, geram uma identidade exclusiva que permite ao público reconhecer a marca sem a necessidade de inscrever o nome dela.

A importância das cores no marketing e no processo de compra

A psicologia das cores é um campo de estudo que analisa como as cores influenciam o comportamento e as emoções das pessoas. 

Está, portanto, no contexto do neuromarketing:

De acordo com pesquisa realizada na plataforma Kissmetrics:

85% dos consumidores colocam a cor como o principal motivo que os leva a comprar um produto.

A cor contribui para aumentar o reconhecimento da marca em 80%, sendo que o reconhecimento está relacionado diretamente à confiança do público;

92,6% dos consumidores afirmam que o fator visual é o mais relevante em sua decisão de compra, acima do sabor, cheiro e outros critérios.

As cores despertam determinadas emoções e sentimentos nos consumidores, podendo levá-los a agir de uma forma específica. Por exemplo, cores quentes, como o vermelho e o amarelo, estimulam o apetite e a ação, enquanto cores frias, como o azul e o verde, transmitem sensações de calma e racionalidade.

Dessa forma, a psicologia das cores é prioritária para o sucesso de estratégias de marketing. 

Entendendo como as cores impactam o comportamento do consumidor, a empresa pode desenvolver identidades visuais, embalagens e campanhas com melhores resultados, elevando as taxas de conversão.

Importância das cores na formação de impressões e percepções

As cores evocam emoções específicas, funcionando como gatilhos que geram sensações variadas: conforto, excitação, confiança ou urgência.

Quando visualiza uma marca ou um produto pela primeira vez, o consumidor forma uma impressão quase instantânea que pode ser influenciada pela cor.

Portanto, a escolha das cores certas é um cuidado necessário para comunicar rapidamente a identidade da marca e os seus valores.

Para alcançar bons resultados, as cores devem ser consistentes com a identidade visual da marca. A harmonia entre a cor da embalagem, o logotipo e outros materiais promocionais facilitam a percepção de uma imagem coesa e profissional. 

A coerência visual consolida a memória da marca e a confiança do consumidor.

Como as cores afetam a decisão de compra e a preferência de marca

As cores são gatilhos inconscientes no processo de persuasão, estimulando o consumidor a mudar sua atitude, sem que ele perceba conscientemente esse processo. 

Elas podem reforçar os princípios da persuasão de Robert Cialdini:

reciprocidade: cores que transmitem generosidade ou gratidão podem aumentar a sensação de dívida e fomentar a reciprocidade do consumidor (por exemplo, embalagens e designs que utilizam tons acolhedores e convidativos podem incentivar essa sensação);

escassez: vermelho e laranja podem ser usados para criar uma sensação de urgência e escassez, estimulando compras rápidas;

autoridade: cores que transmitem confiança e profissionalismo, como azul e preto, tendem a reforçar a percepção de autoridade e credibilidade;

consistência: uma paleta de cores consistente em todos os canais de comunicação reforça as associações positivas já estabelecidas pela marca, estimulando a continuidade das compras;

simpatia: utilizar cores que sejam agradáveis e que estejam em harmonia com o público-alvo pode aumentar a simpatia;

consenso: destaque avaliações de clientes, depoimentos e números de vendas utilizando cores como verde (para aprovação) e azul (para confiabilidade).

Uma seleção adequada de cores pode tornar a marca instantaneamente reconhecível e diferenciá-la dos concorrentes. O subconsciente é influenciado pelas cores ao tomar decisões diárias, incluindo a preferência de uma marca sobre outra.

Significado e impacto das cores nas embalagens

Já falamos sobre as impressões que cada cor de uma embalagem costumar provocar no consumidor. É possível, inclusive, combinar cores para provocar reações complementares ou, quem sabe, intensificar emoções com cores diferentes que exercem efeitos semelhantes.

Tudo está relacionado ao neuromarketing: a psicologia das cores faz parte desse estudo, como expusemos ao longo do artigo. 

Vamos considerar e relembrar de forma sucinta alguns aspectos interessantes envolvendo cores e embalagens:

Conexão com a identidade visual

As cores da embalagem devem se alinhar com a identidade visual da marca para gerar conexão e consistência que reforçam a imagem da empresa.

Influência emocional

As cores evocam diferentes emoções e sensações nos consumidores, influenciando suas percepções e decisões de compra.

Comunicação de atributos

Cada cor carrega significados específicos que podem ser aproveitados para transmitir características desejáveis do produto: qualidade, luxo, confiabilidade e outras.

Cores e segmentação de mercado

Já ficou clara a relevância das cores para o marketing. Ainda segundo o neuromarketing, é preciso considerar a segmentação de mercado nas estratégias das cores:

Ajuste das cores com base no público-alvo

As cores podem ser usadas para criar experiências de marca personalizadas, adaptadas a um público específico. Compreender quais cores se adequam a diferentes perfis de consumidores é necessário para traçar estratégias de marketing efetivas.

Considerações culturais e demográficas

As cores carregam significados e simbolismos que mudam conforme o contexto cultural e as características demográficas do público-alvo.

Assim, o vermelho pode representar paixão e energia em algumas culturas, mas também pode se relacionar a perigo e agressividade em outras.

De maneira similar, tons pastéis podem ser vistos como mais femininos e infantis, enquanto cores vibrantes podem ter apelo mais juvenil.

Percepção de cores entre gêneros e idades

Estudos revelam que homens e mulheres têm diferenças na percepção e preferência de cores. 

Em geral, as mulheres tendem a ser mais sensitivas a matizes e nuances, enquanto os homens são mais atraídos por cores primárias e contrastantes.

Além disso, a percepção das cores também varia conforme a idade. Crianças e idosos, por exemplo, podem ter dificuldade em distinguir certas tonalidades.

Neurociência e Comportamento do Consumidor

Para encerrar este post sobre neuromarketing, vamos reforçar com alguns acréscimos os pontos mais significativos do conteúdo:

Estudos de neurociência sobre a reação às cores:

Pesquisas na área da neurociência revelam que as cores ativam diferentes regiões do cérebro, provocando respostas emocionais e fisiológicas específicas nos indivíduos.

Alguns estudos mostram que cores quentes, como o vermelho, estão associadas a uma maior ativação do sistema límbico, responsável pelas emoções e motivações, enquanto cores frias, como o azul, tendem a acionar zonas do cérebro relacionadas à cognição e à tomada de decisão.

Como os estímulos visuais influenciam a memória e a percepção da marca

Estudos de neuroimagem demonstram que estímulos visuais com elevada carga emocional costumam ser melhor codificados e lembrados pelos consumidores.

Quando uma marca usa uma paleta de cores e elementos visuais consistentes, isso pode facilitar o reconhecimento e a lembrança da marca, consolidando seu posicionamento na mente dos consumidores.

Aplicação de neuromarketing no design de embalagens

Como vimos, pesquisas com neuroimagem e monitoramento de reações fisiológicas podem revelar quais elementos visuais, incluindo cores, atraem a atenção, despertam emoções e influenciam a percepção de qualidade e valor do produto.

Esse entendimento permite que as empresas criem designs de embalagens mais eficazes na comunicação da marca e na estimulação do comportamento de compra.

Enfim, os avanços da Neurociência têm proporcionado uma compreensão mais acurada sobre como os estímulos visuais afetam o processamento cerebral, a formação de memórias e as respostas emocionais dos consumidores. 

Assim, o neuromarketing proporciona descobertas valiosas para o desenvolvimento de estratégias de marketing e design aprimorado de embalagens, com potencial para impactar positivamente o comportamento do público-alvo.

O post Neuromarketing: como o cérebro reage às cores nas embalagens   apareceu primeiro em Blog do Bling.

Share the Post:

Related Posts